Terça, 25 de Junho de 2024
20°C 35°C
São Raimundo Nonato, PI
Publicidade

Promotor sugere que mulher 'aquiete o facho' e volte com seu agressor

"Vocês deveriam aquietar o facho e ficar o resto da vida juntos."

05/06/2024 às 10h38 Atualizada em 05/06/2024 às 10h51
Por: Portal SRN Fonte: Com informações do Uol
Compartilhe:
Imagem: Reprodução
Imagem: Reprodução

"Vocês deveriam aquietar o facho e ficar o resto da vida juntos." Essa foi a sugestão dada pelo promotor de uma vara de família de Vitória, no Espírito Santo, a uma vítima de violência doméstica que pedia pensão alimentícia para suas cinco filhas menores, na presença do ex-marido.

A audiência foi comandada pela juíza Clesia dos Santos Barros, na qual o promotor de Justiça Luiz Antônio de Souza Silva diz que "os filhos precisam que os pais estejam bem".

"Agora eu vou falar assim, vocês com cinco filhos juntos, hein doutora? Cinco filhos juntos. Vocês em vez de aquietar o facho e ficar o resto da vida juntos?", afirma Souza Silva, em áudio da audiência, ocorrida em março. "Deus me livre", a vítima responde. O promotor continua:

Deus me livre, não. Quem tem cinco filhos juntos deveria aquietar o facho. Tá? É isso aí, tá?normal

Continua após a publicidade

É possível escutar ainda Souza Silva afirmar que "todo mundo é livre, mas olha aí a consequência": "Os filhos depois crescem, gente, os filhos precisam dum ambiente mais? A questão única não é só o dinheiro, a questão é o emocional dos filhos, é os pais estarem bem".

A vítima, Alessandra de Souza Silva, que se declara uma mulher preta e periférica, denunciou o ex-marido, Carlos Augusto de Aguiar, por violência doméstica e tentativa de feminicídio. Em depoimento à polícia, ele negou as agressões.

Com base na Lei Maria da Penha, ela tem medida protetiva para que ele não se aproxime. Depois de ficar casada e sofrer violência durante duas décadas, ela precisou construir uma rede de apoio para se divorciar.

"Me aflige que possa ter gerado desconforto", diz promotor

Em nota enviada à reportagem, o promotor de Justiça Luiz Antônio de Souza Silva afirmou que não pode se manifestar publicamente sobre o áudio, não só por "não ter conhecimento do inteiro teor" da denúncia feita por Alessandra, mas por se tratar de ação de família que tramita em segredo de justiça.

No momento, o que posso transmitir é que, ainda mais enquanto membro do Ministério Público, me aflige bastante a ciência de que a minha atuação possa ter gerado eventual desconforto, certamente advindo de algum ruído de comunicação, que poderia ter esclarecido a respeito, instantaneamente, mesmo porque, seguramente, o possível faria para isso, já que não condiz com a forma como busco desempenhar minhas atribuições institucionaisnormal, escreveu Souza Silva.

Após a audiência, Alessandra afirmou ter se sentido humilhada. Em outro áudio, ela fala da dificuldade de ter que debater com o agressor pelos seus direitos. Na sentença, ficou definido que as cinco filhas ficarão na residência da mãe, que receberá do pai delas meio salário mínimo por mês. O valor corresponde a R$ 706, ou R$ 141 por filha.

"Eu morei com meu ex-marido 20 anos, e nesses 20 anos o que passei foi ser humilhada, violentada, sofri abuso psicológico", afirma.

A gente tem que debater com ex-marido e chegar para fazer audiência, e lá virar chacota para promotor, aí a gente sai de lá como lixo, né? Fica humilhada mais ainda, a gente vira chacota, e aí o que acontece, a gente fica calada e volta para casa.normal

A conduta do promotor foi denunciada como violência institucional ao Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH) e ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). O caso foi encaminhado aos órgãos pelo Fordan, programa de extensão e pesquisa da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). O programa presta assistência e acolhimento a vítimas de violência doméstica.

Para a procuradora de Justiça e conselheira do Ministério Público de SP Nathalie Malveiro, é preciso atentar para o risco de revitimizar quem denuncia esse tipo de crime: "A Lei Maria da Penha inaugurou uma nova forma de abordagem da violência de gênero, sobretudo a que envolve violência doméstica", diz.

 

São Raimundo Nonato, PI
34°
Tempo nublado

Mín. 20° Máx. 35°

32° Sensação
2.44km/h Vento
22% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h05 Nascer do sol
05h41 Pôr do sol
Qua 35° 21°
Qui 35° 21°
Sex 35° 21°
Sáb 35° 20°
Dom 35° 19°
Atualizado às 13h06
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,45 +1,08%
Euro
R$ 5,84 +0,89%
Peso Argentino
R$ 0,01 +1,59%
Bitcoin
R$ 359,249,48 +4,10%
Ibovespa
122,378,02 pts -0.21%
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade